À Descoberta da Avé-Maria em Igreja Este pequeno livro (formato bolso) é um repositório escrito de vivências litúrgicas para os meses marianos, meditando a oração da Ave-Maria, enriquecidas com histórias do quotidiano que ajudam a interiorizar, dia a dia, as palavras daquela oração. Na segunda parte apresenta reflexões para a oração do Rosário (Mistérios Gozosos, Luminosos, Dolorosos e Gloriosos). E, na parte final, oferece um pequeno subsídio meditativo, a partir do Evangelho de São João, para a oração eucarística. http://www.paulinas.pt/Product_Detail.aspx?code=1209 Wed, 02 Aug 2017 11:33:33 GMT Descobrindo Maria pela Ladainha Inclui a meditação dos Mistérios do Rosário e das «Sete Dores de Nossa Senhora». <br />O Autor vive o que explicita e, num processo de itinerário interior, traduzido na leitura e uma introdução, passando por uma parábola ou estória, fornece em tríade os elementos nucleares que levam a uma contemplação mística e a uma lição moral concreta. (...) Através de uma experiência pastoral, tenta orientar ainda os filões e os veios para que jorrem onde devem ou se espraiem as águas nos corações sedentos de Vida e de Amor. http://www.paulinas.pt/Product_Detail.aspx?code=1216 Wed, 02 Aug 2017 11:33:21 GMT Saboreando a Salve-Rainha Invocar Nossa Senhora como Rainha é uma tradição antiga, que contemplamos no 5.º mistério glorioso do Rosário. O papa Pio XII instituiu esta celebração litúrgica, em 1955, colocando-a no dia 31 de maio. Com a reforma litúrgica do Concílio Vaticano II passou a celebrar se no dia 22 de agosto, na oitava da solenidade da Assunção de Nossa Senhora, como seu complemento natural. <br />Este livro é uma reflexão meditada sobre cada uma das invocações da oração mariana Salve-Rainha, para ir saboreando… Em cada item, começa-se com uma citação contextualizada de um santo ou de um documento da Igreja, e, depois de explicar o sentido da invocação, conclui-se com um hino litúrgico apropriado. No fim, o leitor encontra, ainda, uma meditação dos mistérios do Rosário. http://www.paulinas.pt/Product_Detail.aspx?code=1974 Wed, 02 Aug 2017 11:33:06 GMT Pai-nosso O presente livro percorre as sete petições da oração primordial do Cristianismo, desvendando-lhe sentidos inéditos à luz do <i>Catecismo da Igreja Católica</i> e posteriores meditações do papa emérito Bento XVI. <br />A fertilidade espiritual que distingue a extensa obra escrita do Autor, enriquecida com a sabedoria de mestres antigos e contemporâneos, convergem na proposta de novas intuições e caminhos de descoberta do Pai-nosso, oração antiga e sempre nova. http://www.paulinas.pt/Product_Detail.aspx?code=2029 Wed, 02 Aug 2017 11:32:50 GMT Caminhos de misericórdia A pretexto do tema jubilar da Misericórdia, o padre Sílvio Couto propõe-nos, a partir de uma conjugada reflexão entre a <i>Instrução Geral do Missal Romano</i> e o <i>Catecismo da Igreja Católica</i>, um conjunto de motivações que nos levam a encontrar nos sacramentos da Eucaristia e da Penitência os caminhos da misericórdia de Deus. Pela <i>Instrução</i>, podemos entender o modo como Deus se nos comunica e a forma como o celebramos. Pelo <i>Catecismo</i>, percebemos melhor os desígnios da misericórdia e os meios que nos são oferecidos – na Eucaristia e pela Penitência – para o seu usufruto e benefício, tanto pessoal como comunitariamente. http://www.paulinas.pt/Product_Detail.aspx?code=2134 Wed, 02 Aug 2017 11:32:34 GMT Espírito Santo, Senhor que dá a vida A memória da nossa relação com Jesus é o Espírito Santo. Com efeito, saímos da orfandade espiritual pelo ensino do Espírito da Verdade. Esta vertente foi vivida, por excelência, na comunidade dos primeiros cristãos, pois foi o Espírito Santo quem fez memorial das palavras e dos gestos de Jesus para que os Apóstolos pudessem ser fiéis àquilo que viram e viveram com Jesus, desde o batismo de João até à sua subida aos Céus (cf. Atos 1,21-22). Disso mesmo são testemunho os Evangelhos – cada um segundo a comunidade de origem – com o ensino, os sinais e os milagres de Jesus. http://www.paulinas.pt/Product_Detail.aspx?code=2197 Wed, 02 Aug 2017 11:32:18 GMT Mostra-me o Teu Rosto Escrito em estilo direto e vivo, com clareza e profundidade, com inspiração bíblica e existencial, é um livro nascido da vida, que oferece uma eficaz colaboração àqueles que desejam iniciar-se na experiência de Deus ou recuperá-la, e àqueles outros que desejam avançar no mistério insondável de Deus. http://www.paulinas.pt/Product_Detail.aspx?code=345 Wed, 02 Aug 2017 11:32:05 GMT Colaboradores da vossa alegria Este livro encoraja a ser sacerdote e a sê-lo com alegria. Não propõe nenhuma imagem atualizada do sacerdote nem uma nova espiritualidade ou uma nova conceção de pastoral. Simplesmente chama à consciência o centro imutável da vocação sacerdotal: importa dirigir o olhar, com fé, para Jesus Cristo e ter diante dos olhos o núcleo permanente da conceção católica da natureza da Igreja. Se o ministério for entendido como um <i>dom para a glorificação de Deus</i>, será possível organizar bem a vida do sacerdote e da comunidade eclesial, mantendo como pano de fundo os debates contemporâneos sobre o assunto. <br />«Augustin desenterra tesouros escondidos e amplamente esquecidos, fazendo com que brilhem de novo; indica o centro do ministério sacerdotal, constituído pela amizade com Jesus Cristo; fala da participação na vida de Deus, e também numa nova paixão por Deus. Por estas razões, o seu livro irradia entusiasmo» (Card. Walter Kasper). http://www.paulinas.pt/Product_Detail.aspx?code=2041 Wed, 02 Aug 2017 11:30:23 GMT O abandono de Deus O ateísmo, a dúvida e o ceticismo entretecem o quotidiano da nossa vida. Também o crente faz a experiência do abandono de Deus. Se nos encontrarmos nesta situação, como podemos sair dela? Não será que a pessoa que vive na dúvida faz o caminho da busca autêntica de Deus? Uma boa dose de dúvida, por vezes de descrença, é de grande importância para se chegar a uma espiritualidade adulta, alcançada na luta contra as tentações do impasse emocional e do fundamentalismo. Anselm Grün e Tomáš Halík, dois proeminentes mestres-escritores espirituais contemporâneos, revelam-nos, a partir das suas próprias experiências de Deus, que a fé e a incredulidade, como a dúvida e o questionamento, são facetas da mesma realidade e são parte da própria imagem de Deus. http://www.paulinas.pt/Product_Detail.aspx?code=2170 Wed, 02 Aug 2017 11:30:10 GMT O inseparável mandamento Depois da celebração do Jubileu da Misericórdia, começa-se hoje a ter uma visão mais global do que é essa virtude. George Augustin aborda neste livro a sua relação com a humanidade, a partir da revelação bíblica e da experiência humana do perdão. A misericórdia deve ser entendida como a força de Deus para alcançar a plena realização humana. Mas ela caracteriza também o «estilo de vida» dos cristãos, segundo as palavras insistentes do papa Francisco: é importante «darmos continuidade ao que fez Jesus no dia de Páscoa, quando derramou nos corações assustados dos discípulos a misericórdia do Pai, efundindo sobre eles o Espírito Santo que perdoa os pecados e dá alegria […]. A estrada que o Mestre ressuscitado nos aponta é estrada de sentido único, segue-se apenas numa direção: sair de nós mesmos, sair para testemunhar a força sanadora do amor que nos conquistou». http://www.paulinas.pt/Product_Detail.aspx?code=2212 Wed, 02 Aug 2017 11:29:54 GMT Glória da Santíssima Trindade «Na tradicional piedade cristã, sobretudo na piedade popular, há inúmeros rosários, uns de inspiração reparadora outros dominados pelo louvor a prestar a Deus Uno e Trino. Há rosários de veneração e ternura a Nossa Senhora, como o que nasceu da revelação a São Bernardo de Claraval; “Rosário da Misericórdia”, “Rosário das Chagas”... e, agora, é-nos proposto o “Rosário da Glória” com a repetição festiva do <i>Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo</i>. Este Rosário tem o condão de nos transportar para a verdadeira alegria, aquela que nos vem de Deus, Uno e Trino, “um Deus que é Amor” (1João 4,8)» (Do Prefácio). http://www.paulinas.pt/Product_Detail.aspx?code=2214 Wed, 02 Aug 2017 11:29:34 GMT As parábolas de Jesus – <i>Lectio divina</i> De uma forma simplificada, pode definir-se a parábola como sendo uma história humana de que se pode extrair um significado moral ou espiritual. Neste pequeno livro reúnem-se as principais parábolas de que Jesus se serviu na pregação do seu ensinamento. E, neste campo, Jesus pouco ou nada inovou, pois remeteu-se a usar um método muito difundido pelos rabinos judeus, e que muitos e proveitosos frutos ofereceu ao longo da história de Israel, e também aos seus ouvintes de hoje. <br /> <br /><b>Organização de</b> Maria Rosa Ribeiro http://www.paulinas.pt/Product_Detail.aspx?code=2213 Wed, 02 Aug 2017 11:29:19 GMT Cartas a Marcos acerca de Jesus <i>Cartas a Marcos acerca de Jesus</i> é uma admirável coleção de textos íntimos e iluminadores de Henri Nouwen ao seu sobrinho Marcos, que luta por encontrar o seu caminho num mundo algo confuso e apático. São textos onde encontramos a característica escrita graciosa e sábia deste mestre de espiritualidade cristã, e que testemunham a sua profunda convicção de que toda a pessoa pode encontrar uma satisfação espiritual durável, se simplesmente tomar o seu tempo para identificar-se cada dia mais com Jesus, em todos os aspetos da vida. Poderoso e profundo, <i>Cartas a Marcos acerca de Jesus</i> revela o melhor de Nouwen, enquanto mestre espiritual, e aponta uma linha de rumo e uma inspiração necessária para a verdadeira conversão. http://www.paulinas.pt/Product_Detail.aspx?code=2211 Wed, 02 Aug 2017 11:29:01 GMT Louvado sejas A nova encíclica de Francisco, inspirando-se no Cântico das criaturas de São Francisco de Assis (<i>Laudato si’, mi’ Signore</i>), é um urgente apelo à preservação da Terra e da vida, através da qual a Igreja procura também influenciar os trabalhos da próxima Conferência de Paris sobre o Clima (7-8 de dezembro de 2015). Num ano crucial para decisões sobre o meio ambiente, portanto, o Papa consagra, pela primeira vez, uma encíclica às questões ambientais, reconhecendo que o tema ecológico é um importantíssimo desafio para a humanidade. <br /> <br /><b>Críticas de Imprensa:</b> <br />«Temos uma bomba, que é a última encíclica do papa Francisco, ecológico que pôs muitos empresários de cabelos em pé, chamado “Louvado sejas”, na linha de aquilo que se esperava desde o primeiro momento do seu pontificado.» <br /><b>Marcelo Rebelo de Sousa, <i>in</i> TVI</b> <br /> <br />«Esta encíclica deve ser lida e meditada por todas as pessoas de boa-fé que querem modificar o seu comportamento e atitude perante a Terra para melhor e não continuar a colocá-la num perigoso risco real. <br />A situação atual é inaceitável e aqueles que têm responsabilidades políticas têm o dever de trabalhar para a mudança do atual estado de coisas. O Papa Francisco convocou o mundo para uma verdadeira revolução cultural.» <br /><b>Mário Soares, <i>in</i> Diário de Notícias</b> <br /> <br />«Esta encíclica é uma exortação contra a indiferença. Um belo texto de desassossego. Uma reflexão de holística sensibilidade. Um grito contra o egoísmo geracional. O pleno reconhecimento da interdependência económica, social e ambiental do homem e da natureza. Um marco contra a indigência moral, que se alimenta da falta de memória corroída pela primazia do presentismo, da impunidade e da <i>“cultura do descarte”</i>. Francisco assinala, sobretudo, as preocupações nos domínios da biodiversidade, da água, da poluição e das mudanças climáticas, da deterioração da qualidade da vida humana e da degradação social, da desigualdade planetária e do que chama <i>“a fraqueza das reacções perante os gemidos da irmã Terra”</i>.» <br /><b>António Bagão Félix, <i>in</i> Público</b> <br /> <br />«A tentação, na receção deste texto tão provocador e contracorrente do Papa atual, é pensar que ele estabelece uma descontinuidade quanto à forma, mas, no fundo, uma continuidade quanto ao conteúdo, sublinhando apenas intenções ecológicas genéricas que trazemos já no ouvido. Não falta quem pense que uma encíclica é um género literário pontifício que serve para apaziguar as almas e basta. Contra essa moleza há que falar deste grande texto religioso e político como um manual do desassossego.» <br /><b>José Tolentino Mendonça, <i>in</i> A Revista do Expresso</b> <br /> <br />«Era a encíclica que faltava para a Igreja Católica ocupar o seu espaço-tempo na contemporaneidade de forma mais interveniente e efectiva. É uma encíclica que deve ser lida com muita atenção. É um documento com muitos registos, com um texto directo, secundário e terciário. É um documento que vai ser lido pelo cristão comum e pelo cidadão interessado no seu tempo, independentemente da sua convicção religiosa. Vai ser lido também nas academias, pela sua riqueza de pensamento.» <br /><b>Viriato Soromenho-Marques, <i>in</i> Rádio Renascença</b> <br /> <br />«Trata-se na verdade de uma Carta exemplar, que merece de todos profunda meditação e a mais corajosa e urgente aplicação!» <br /><b>Eduardo Ferraz da Rosa, <i>in</i> RTP</b> <br /> <br />«A <i>Laudato Si’</i> é, talvez, o acto número um de um apelo para uma nova civilização» <br /><b>Edgar Morin, <i>in La Croix</i> (diário francês)</b> <br /> <br />«Dizem que o Papa Francisco não é um homem apressado, mas tem muita pressa. Tentarei compreender porquê. Para já, quero manifestar a alegria que vivi na leitura da primeira Encíclica de um Bispo de Roma, dirigida a cada pessoa que habita este planeta a reconhecer, a respeitar e a cuidar. Ele é a nossa própria casa. A humanidade não pode continuar a envenenar o seu próprio futuro. <br />É um rio de muitos afluentes. Pelo horizonte, pelo conteúdo e pelo estilo é justo chamar a este texto a Carta Magna da ecologia integral.» <br /><b>Frei Bento Domingues, <i>in</i> Público</b> <br /> <br />«… corajosa, profética, desafiadora, holística, maravilhosa.» <br /><b>Tony Magliano, <i>in</i> National Catholic Reporter</b> <br /> <br />«Não se apagaram da nossa memória as palavras do Papa Francisco quando iniciou o pontificado, salientando a sua vocação de guardião não apenas dos cristãos mas da humanidade. Essa tarefa «diz respeito a todos: é a de guardar a criação inteira, a beleza da criação, como se diz no livro do Génesis e (…) mostrou S. Francisco de Assis: é ter respeito por toda a criatura de Deus e pelo ambiente». Acaba de ser publicada a nova encíclica do Papa, «Laudato Si’», sobre questões ambientais e o cuidado da casa comum e o tema não poderia ser mais atual, referindo-se à desigualdade no acesso e na distribuição de recursos e à sobre-exploração da natureza. «A Terra não é um legado dos nossos pais, mas um empréstimo dos nossos filhos». Assim, se há questão fundamental que deva ser aprofundada nos dias de hoje, perante os efeitos da crise económica e financeira, é o da escassez de recursos naturais disponíveis e o da responsabilidade comum da humanidade em face da sua utilização. É preciso uma revolução ética e económica contra a mudança climática e a crescente desigualdade.» <br /><b>Guilherme d'Oliveira Martins, <i>in</i> CNC</b> <br /> <br />"Admiro profundamente a decisão do papa de pedir ação contra as alterações climáticas de maneira clara, forte e com toda a autoridade moral que a sua posição lhe confere" <br /><b>Barack Obama, Presidente norte-americano, <i>in</i> Diário Digital com Lusa</b> <br /> <br />«… uma convocação mundial a um sobressalto. Só o tempo dirá o real impacto que pode ter ao nível planetário, das religiões, das culturas, da política internacional e local, da natureza e do ambiente, das sociedades, dos modelos educativos, dos estilos de vida, das consciências pessoais e do modo como habitamos a casa cósmica comum» <br /><b>Isabel Varanda, <i>in</i> Semanário Ecclesia</b> <br /> <br />«Penso que o Papa considerou muito bem todas as componentes e fez um apelo claro para que os líderes de opinião se concentrem nos problemas naturais que são base de toda a vida humana e da qualidade de vida na terra.» <br /><b>Ângela Morgado, diretora do “World Wild Fund for Nature”, <i>in</i> Agência Ecclesia</b> <br /> <br />«Esta encíclica é uma proposta de conversão ecológica para crentes e não crentes que queiram ouvir.» <br /><b>D. Manuel Clemente, Cardeal-Patriarca de Lisboa</b> <br /> <br />«Papa Francisco, Louvado Sejas. Carta Encíclica <i>Laudato si’</i> – sobre o cuidado da casa comum, Paulinas Editora. A segunda encíclica do atual Papa é um extraordinário ensaio sobre a atenção que devemos à nossa casa comum, o planeta Terra. Não é só a ecologia, mas também a economia que nos deve preocupar.» <br /><b>Carlos Filhais, <i>in</i> Público</b> <br /> <br />«Depois de alicerçar a encíclica nos escritos dos papas seus antecessores, é também interessante e original a forma como Francisco recorre a outras fontes, de dentro e de fora da Igreja, citando profusamente o patriarca ortodoxo: «o amado Patriarca Ecuménico Bartolomeu, com quem partilhamos a esperança da plena comunhão eclesial». <br />A primeira preocupação do Papa é fundamentar todas as recomendações, toda a ecologia política, económica e social em Deus omnipotente e criador e nos princípios e dogmas da Sua Igreja, mas a mensagem é para todos: o crescimento económico e a exploração da Terra e dos recursos da biosfera não pode ser um fim em si.» <br /><b>Jaime Nogueira Pinto, <i>in</i> SOL</b> <br /> <br />«O que será que esta extraordinária encíclica traz até nós? Acima de tudo põe-nos a pensar com limpidez desarmante em assuntos complexos e tensos, trazendo uma nova esperança.» <br /><b>Luísa Schmidt, <i>in</i> Expresso</b> <br /> <br />«Laudato Si (Louvado sejas). Sobre o Cuidado da Casa Comum», é assim que se chama a primeira Encíclica exclusivamente escrita pelo Papa Francisco. Mais, uma vez, Jorge Bergoglio consegue surpreender o mundo com o primeiro texto apostólico totalmente dedicado à Ecologia. Mas, desenganem-se os que pensam que o Papa mudou o alvo dos seus interesses. Neste texto, como em todas as intervenções de Francisco, são os pobres que continuam no centro do seu discurso. Eles e o poder económico e financeira que, de novo, é fonte de todas as críticas.» <br /><b>Rosa Pedroso Lima, <i>in</i> Expresso</b> http://www.paulinas.pt/Product_Detail.aspx?code=2038 Wed, 02 Aug 2017 11:28:42 GMT Amigos de Jesus (branco) <i>Amigos de Jesus<i/> pretende ser um companheiro para as crianças que frequentam os primeiros anos da catequese. Inclui as principais orações; a explicação dos sacramentos e dos mandamentos; o ritual da celebração eucarística, com a explicação dos principais momentos e um capítulo dedicado a Maria, que explica como se reza o terço e contém os mistérios do Rosário.<br><br><b>Org. de Paula Delgado e Isabel Páscoa. http://www.paulinas.pt/Product_Detail.aspx?code=825 Wed, 02 Aug 2017 11:28:26 GMT Diz lá, tio Willi A correspondência entre Andrea J. Larson e o seu tio, o monge beneditino Anselm Grün, revela um interessante diálogo intergeracional: de um lado, uma jovem mãe de três filhos, bem ciente das muitas limitações que se colocam a uma vida de total liberdade; do outro, um velho monge, que, ainda muito novo, decidiu entrar num mosteiro e ali, nos limites do claustro, encontrou uma grande liberdade. <br />Neste diálogo cativante, os dois abordam as mais variadas questões que tocam a existência de toda a gente: o amor e os relacionamentos, a comunidade e a solidão, a responsabilidade pessoal e o cuidado dos outros, a deceção e a dúvida. A sua leitura será, certamente, uma oportunidade de perceber dinâmicas que podem conduzir a uma vida bem-sucedida. http://www.paulinas.pt/Product_Detail.aspx?code=2210 Wed, 02 Aug 2017 11:28:10 GMT Os Noivos Este é mais um clássico da literatura mundial que muito nos apraz facultar, em tradução rigorosa dos originais (a partir da sua última revisão por Manzoni, e que ficou conhecida, em Itália, por <i>edizione quarantana</i>). <br />«Tal como muitos outros grandes romances, <i>Os Noivos</i> tem sequências e ritmos muito variados e coloca em cena uma vasta gama de personagens e situações. À genialidade do uso magistral da língua e da segura composição narrativa, Manzoni acrescenta a estupenda construção de um romance que conserva ainda hoje uma surpreendente atualidade. Como escreve o autor, não sem um velado humorismo: “Assim sucede muitas vezes no mundo… quero dizer, assim sucedia no século XVII.” Não podemos fingir que não o sabemos: houve muitas coisas que permaneceram iguais. Trata-se de uma obra coral, cujos significados são mais o conjunto das personagens do que os indivíduos isolados. Não é por acaso que Manzoni é um narrador capaz de atrair os leitores mais variados; e foi esta capacidade de aproximação que, sem dúvida, fascinou Bergoglio”» (Da <i>Apresentação</i>). «Li três vezes o livro Os Noivos e, agora, tenho-o na secretária para voltar a lê-lo. Manzoni deu-me muito» (Papa Francisco). <br /> <br /><b>Críticas de Imprensa: </b> <br />«A publicação da tradução de “Os Noivos” (“I Promessi Sposi”), de Alessandro Manzoni (por José Colaço Barreiros, um mestre, nas Edições Paulinas) é um grande acontecimento. Um romance, um grande fresco italiano.» <br /><b>Francisco José Viegas,</b><i> in</i> Correio da Manhã <br /> <br />«“Os Noivos” é, por consenso geral, o maior romance italiano do século XIX, e talvez de sempre. (…) O tema é universal: uma história de amor entre dois jovens humildes que desafia as circunstâncias. Por outro lado, há cenas emocionantes e um elenco de personagens quase perfeitas na sua vitalidade, desde camponeses e clérigos a nobres, monjas, tiranos e bandidos. Com graus variáveis de complexidade psicológica, proporcionam flashes da natureza humana onde não é raro encontrar sabedoria. (…) A voz do autor vai-nos falando num tom calmo de contador que sugere como esta obra merece ser lida.» <br /><b>Luís M. Faria,</b><i> in</i> A Revista do Expresso http://www.paulinas.pt/Product_Detail.aspx?code=2014 Wed, 02 Aug 2017 10:43:01 GMT A Avó e Eu «Há muitas avós na Terra! Umas só aparecem em histórias como “O Capuchinho Vermelho”. Outras existem de verdade – são as mães dos nossos pais. <br />Por causa das avós, o Mundo é um lugar melhor para viver!» <br /><i>Ser santo é viver no mundo real e ir ao encontro das pessoas que Deus colocou no nosso caminho e amá-las. <br />Para muitos de nós, essas pessoas são a nossa própria família.</i> <br />Irmã Wendy, <i>Livro de Santos</i> Livros recomendados para leitura autónoma com apoio do educador ou dos pais - Educação Pré Escolar. http://www.paulinas.pt/Product_Detail.aspx?code=926 Wed, 02 Aug 2017 10:42:48 GMT Um peixinho no meu quarto Nada marca mais a vida do que o que se dá e recebe nas relações. A autora, pela sua experiência pedagógica, sabe isso melhor que ninguém, e oferece-nos neste livrinho, belamente ilustrado, a história do João – que quer ser cientista, tal como o seu tio Pedro. O caminho por ele escolhido, para o fim que deseja, foi o de fazer amizade com os seres marinhos. Porém, a diversidade desse mundo é tamanha, que o deixa estonteante de alegria e entusiasmo por querer conhecer cada vez mais… e mais… tudo! Pela observação dos comportamentos desses seres maravilhosos que habitam o meio líquido, ele vai colhendo ensinamentos que jamais suspeitara na sua vida de relação, e leva-o a associar-se àqueles que defendem os mares e os rios… e também o leva a estudar tudo sobre eles, e, por vezes, até a sonhar… com sereias! <br />O seu entusiasmo levou-o também a trazer o «mar» para casa… O seu aquário está cada vez mais habitado… e a felicidade do João parece completa sempre que se ocupa na limpeza e na alimentação dos seus novos amigos!... http://www.paulinas.pt/Product_Detail.aspx?code=2034 Wed, 02 Aug 2017 10:42:37 GMT O Mistério da Árvore Branca No 2.º volume desta colecção, o estranho «mistério da árvore branca» será desvendado e dará que pensar. Por outro lado, A Filipa, o Tomás e o Salvador irão também descobrir um sentido para a palavra AMIZADE… <br />Com a ajuda de um primo que os três irmãos mal conheciam, abre-se a porta para um futuro melhor. A quinta de São Francisco vai conhecer e desenvolver novos projetos, e todos querem participar. <br><br>Para ler o primeiro capítulo do livro clique <a><a href="http://www.paulinas.pt/O mistério da árvore branca.pdf">aqui</a> <br><br> Conhece o <a href="http://espiritodaquinta.blogspot.com">Blog Espírito da Quinta</a><br>Participa no <b>Concurso Paulinas Editora – <i>O Espírito da Quinta</i></b> <br /> <br />Livro recomendado pelo Plano Nacional de Leitura para projetos relacionados com cidadania – 3º, 4º, 5º e 6º Anos de Escolaridade. http://www.paulinas.pt/Product_Detail.aspx?code=1049 Wed, 02 Aug 2017 10:42:23 GMT Quero dizer-Te: Obrigado! Por vezes, acontece-nos o mais óbvio, mas que, curiosamente, sempre temos por improvável: ficarmos retidos num leito, limitados na nossa autonomia, votados ao passar do tempo a pensar. O nosso olhar alonga-se pela ausência do sentir e damos connosco a questionarmo-nos: «Como vivo tudo o que tenho para viver, até ao fim? O que quero ainda fazer?» <br />«Quando acompanhamos pessoas no ocaso da vida terrena, percebemos que muitas aproveitam esse tempo para dizer: OBRIGADO! É possível viver de uma forma saudável até ao fim, e é possível, no fim da vida, dizer: OBRIGADO! O crente, que sabe que vive em Deus, entrega-se a Deus, a fim de participar, de forma plena, na INFINITA GRATIDÃO e no INFINITO LOUVOR. A visão cristã da vida terrena inclui a experiência do Infinito.» <br />Desafiamos o leitor a vivenciar esta experiência com alegria, também através deste roteiro que se lhe propõe, nesta leitura! http://www.paulinas.pt/Product_Detail.aspx?code=2059 Wed, 02 Aug 2017 10:42:12 GMT Um lápis chamado Teresa Santa Teresa de Calcutá disse um dia: «Sou um lápis nas mãos de Deus.» Essas palavras inspiram esta biografia da santa, dirigida aos jovens e escrita por Maria Teresa Maia Gonzalez. Numa linguagem simples mostra como a fundadora das Missionárias da Caridade interpelou os grandes deste mundo e os levou a tomar consciência da sua responsabilidade diante de tanta pobreza que nos rodeia. Foi por isso que lhe atribuíram o Prémio Nobel da Paz (1979). É difícil escrever sobre os santos? Mais difícil – diz-nos a autora – é... fazer como eles, seguindo os passos de Jesus. http://www.paulinas.pt/Product_Detail.aspx?code=2141 Wed, 02 Aug 2017 10:42:00 GMT Vem Rezar Comigo! Neste livro, a conhecida autora de livros para crianças e adolescentes, Maria Teresa Maia Gonzalez, explica às crianças, de uma forma muito simples, o Rosário, ajudando-as a rezar esta importante oração. O seu texto é envolvido por bonitas ilustrações. <br /> <br /><b>Em co-edição com a Fundação AIS</b> http://www.paulinas.pt/Product_Detail.aspx?code=1004 Wed, 02 Aug 2017 10:41:48 GMT Fatima 1917-2017 A história das aparições, <b>para ler e para ver</b>, num pequeno <b>livro-recordação</b> do Centenário de Fátima, que inclui ainda <b>o DVD</b> <i>Fátima – Altar do Mundo</i>. Descubra a história e mensagem de Fátima desde as aparições de Nossa Senhora na Cova da Iria até à atualidade. O DVD inclui imagens inéditas da beatificação dos pastorinhos Jacinta e Francisco, por Sua Santidade, o papa São João Paulo II, e da inauguração da Igreja da Santíssima Trindade. <br /> <br /><b>Idioma:</b> Inglês http://www.paulinas.pt/Product_Detail.aspx?code=2177 Wed, 02 Aug 2017 10:41:35 GMT A Festa da Minha Primeira Comunhão As páginas alegres e vivas deste álbum convidam a reviver a alegria do momento especial de festa que é a Primeira Comunhão e a completá-lo com desenhos, palavras e fotos. http://www.paulinas.pt/Product_Detail.aspx?code=241 Wed, 02 Aug 2017 10:41:19 GMT Nos passos de Teresa: a Santa de Calcutá Ao chegar à Índia, Teresa, jovem religiosa, fica muito impressionada com a pobreza. Ela compreende que a sua verdadeira missão não é viver num convento, mas estar ao lado dos mais pobres, dos doentes e dos moribundos, nos bairros de lata. A Madre Teresa recebeu o Prémio Nobel da Paz em 1979 e foi beatificada pelo papa João Paulo II em 2003. Aqui se narra a sua biografia em mais um texto acessível a todas as crianças. http://www.paulinas.pt/Product_Detail.aspx?code=2205 Wed, 02 Aug 2017 10:41:01 GMT Nos passos de Francisco: o Pobre de Assis Há oitocentos anos, viveu em Assis o filho de um comerciante de tecidos muito rico: Francisco Bernardone. Tinha apenas uma ambição: possuir o mais belo cavalo e a melhor armadura. Certo dia, porém, encontra-se com Deus e abandona tudo para viver como os mais pobres, na indigência mais absoluta. Canonizado em 1228, Francisco de Assis é considerado, atualmente, um dos maiores santos da História. Aqui se narra a sua vida, num bonito texto ao alcance de todas as crianças. http://www.paulinas.pt/Product_Detail.aspx?code=2204 Wed, 02 Aug 2017 10:40:45 GMT Nenhum Caminho Será Longo «A amizade é uma experiência universal e representa, para cada pessoa, um percurso inapagável de humanização e de esperança. Contudo, precisamos de uma sabedoria, e também de uma sabedoria espiritual, que nos permita vivê-la mais plenamente» (do «Umbral»). <br />«Este livro de José Tolentino Mendonça nomeia o significado profundo da amizade e, ao mesmo tempo, o seu segredo, a serena aceitação dos limites… O autor explora este tema com um raro conjunto de referências, uma imersão profunda na Palavra de Deus, associada também a uma penetrante compreensão das raízes clássicas da nossa civilização, uma sensibilidade para a poesia, infelizmente tão ausente na teologia, e intuições profundas que serão certamente acolhidas com interesse também por outras culturas. Este é um livro que revela um profundo respeito pelo outro, um livro para ser saboreado» (Timothy Radcliffe). <br /> <br />Em 7.ª edição, Nenhum caminho será longo, depois de, internamente, ter merecido o destaque de «TOP de vendas», passou também a fazer parte das opções editoriais, no estrangeiro, com edições em Itália, Espanha, República Checa, América do Norte, Brasil e todos os países da América Latina. <br /> <br /><iframe width="280" height="189" src="http://www.youtube.com/embed/9QOwquf1H7s" frameborder="0" allowfullscreen></iframe><br><br><br><iframe width="280" height="189" src="http://www.youtube.com/embed/vgI0DAGYdIc?rel=0" frameborder="0" allowfullscreen></iframe><br><br><br><iframe width="280" height="189" src="http://www.youtube.com/embed/HP6WPsxlPxk?list=UUYWsKEOqUNhO5ezLRTL2icg" frameborder="0" allowfullscreen></iframe> <br /> <br /><b>Críticas de Imprensa:</b> <br />“A delicadeza com que José Tolentino Mendonça nos convoca para pensar a amizade é tocante. Avançamos sobre o tema numa espécie de voo em balão de ar quente; a sensação de vermos de cima, sim, mas a passo tranquilo – sem qualquer ruído perturbador.” <br /><b>Gonçalo M. Tavares,</b> Escritor <br /> <br />“Fascinante e profunda reflexão sobre os caminhos da amizade... Um périplo de leitura com todas as marcas de uma grande e verdadeira viagem espiritual.” <br /><b>Frederico Lourenço,</b> Escritor <br /> <br />“Em Nenhum Caminho será Longo, somos surpreendidos por uma proposta inspirada que só uma pessoa com a grandeza de José Tolentino de Mendonça nos poderia oferecer.” <br /><b>Joana Carneiro,</b> Maestrina <br /> <br />“As palavras de José Tolentino Mendonça são uma revelação.” <br /><b>Martim Avillez Figueiredo,</b> Jornalista <br /> <br />«Este é um livro que revela um profundo respeito pelo outro, um livro para ser saboreado» <br /><b>Timothy Radcliffe</b> <br /> <br />«Mas Portugal tem outro fator de diferenciação: as pessoas. E associado às mesmas, destaca-se a amizade. Tema da última obra do padre, ensaísta e poeta José Tolentino Mendonça. Em “Nenhum caminho será longo” (Paulinas), obra que beija a amizade com um abraço, Tolentino fala sobre essa dádiva que, ao contrário do Produto Interno Bruto (PIB), não é quantificável. E em boa hora.» <br /><b>Mafalda Avelar,</b> <i>in</i> Diário Económico <br /> <br />«No momento de desagregação e de falta de esperança que a sociedade portuguesa atravessa é necessária uma reflexão sobre a amizade. A proposta é do padre Tolentino Mendonça no seu novo livro intitulado "Nenhum caminho será longo". <br />Numa altura em que diz que falta esperança ao discurso político, o futuro vice-reitor da Universidade Católica considera que as relações de amizade ajudam a dar sentido à vida.» <br /><b>Maria João Costa,</b> <i>in</i> Rádio Renascença <br /> <br />«José Tolentino Mendonça é um criador na substância e na forma <br />não separando uma da outra e a meu ver é sempre culto, é sempre poeta e sempre padre.» <br /><b>Marcelo Rebelo de Sousa,</b> <i>in</i> lançamento Fnac Chiado <br /> <br />«Em momentos de crise muitas pessoas estão a sentir-se sozinhas e o Padre José Tolentino Mendonça, um dos grandes poetas portugueses da atualidade, escreve um livro que é baseado num provérbio japonês, “nenhum caminho será longo se for feito ao lado do teu amigo”. Os cristãos sabem bem o que é isso, pois têm um amigo permanente na pessoa de Cristo»... <br /><b>Graça Franco,</b><i> in</i> Rádio Renascença <br /> <br />«…é uma companhia notável de releitura do evangelho cristão, raríssima entre nós com esta amplitude, com esta gramática, com uma singular capacidade de mobilizar tanto a inteligência como a comoção pura. Para um católico, este livro é uma espécie de ‘Leal Conselheiro’, pura auto-ajuda religiosa no sentido pleno e feliz da palavra, recolocando a amizade no centro da terra árida que é o nosso tempo, falando do silêncio, da imperfeição, do humor, da alegria, da vulnerabilidade, da hospitalidade, da felicidade: "A conquista de um ritmo humano para a vida não acontece de repente, nem avança com receitas de quatro tostões. Precisamos de aprender a planificar com sabedoria o dia a dia." É um livro para ser seguido – que assinala a perplexidade diante das coisas maravilhosas. É muito raro isso acontecer.» <br /><b>Francisco José Viegas,</b> <i>in</i> Correio da Manhã <br /> <br />«José Tolentino Mendonça. O Padre Tolentino pode parecer em muito o oposto de John Piper. Não por ser obscuro ou ilógico, que não é, mas por investir mais na sugestão do que propriamente no sentido. O Padre Tolentino tem um ministério da amizade (patente no último e excelente “Nenhum caminho será longo”) que não se faz nos sulcos protestantes do confronto mas nos atalhos inesperados da empatia. O Padre Tolentino serve para mim como um contra-ponto ao feitio evangélico, sempre pronto para a tareia. A minha escrita nunca será convidativa como a do Padre Tolentino mas ando a tentar». <br /><b>Tiago Cavaco</b> <br /> <br />«O livro de José Tolentino Mendonça começa como uma espécie de regato silencioso. Dá a impressão que quase se pede desculpa por voltar ao tema da amizade. Mas, as páginas somam-se e as margens vão-se alargando. E o caudal revela toda a sua riqueza, toda a sua densidade, inicialmente insuspeitável.» <br /><b>Francisco Martins, sj</b> <br /> <br />«É, como as ilhas, um homem com uma tumultuosa vida dentro de si. Por vezes fecha os olhos quando fala. Quase sempre diz coisas assombrosas. Dirige-se aos não crentes. <br />José Tolentino Mendonça acabou de lançar um livro que pretende «recolocar a amizade como um problema teológico e político», Nenhum Caminho Será Longo». <br /><b>Anabela Mota Ribeiro,</b> <i>in</i> Domingo <br /> <br />«Gostei do livro, da sua estruturação em curtos subcapítulos. Inclusive da sua textura, do formato, do tipo de letra, do papel!… Um daqueles livros físicos que nos faz pensar quanto é penoso imaginar que, daqui a uns tempos quiçá, só haverá livros digitais!...» <br />… <br />«Alimentava-me eu, desde há mais de 30 anos, em textos de pensadores como os irlandeses Joseph Murphy e Emmet Fox ou o americano Merlin R. Carothers, meus livros de cabeceira. E tenho agora, em português, quem vai no mesmo sentido de nos mostrar que… vale a pena viver!» <br /><b>José d’Encarnação,</b> Professor Universitário http://www.paulinas.pt/Product_Detail.aspx?code=1311 Wed, 02 Aug 2017 10:40:32 GMT O País dos Avós O País dos Avós é um país cheio de memórias... memórias de longe e de perto! Só os avós sabem contar a história dos seus filhos pequeninos, tornados pais grandes dos netos que custam a perceber como tanta coisa pôde acontecer… Mas não se pode imaginar um país só com avós. A família perderia a sua última geração e deixaria de ter história, memória e coração. http://www.paulinas.pt/Product_Detail.aspx?code=2200 Wed, 02 Aug 2017 10:40:16 GMT O País do Mel O País do Mel é pequenino, de clima doce e ameno, cheio de casas coloridas e apetitosas. Lá vivem reis e gente de comer, mas reinam as abelhas, donas da grande indústria do mel. Por isso visitam parques e jardins, transportando néctar e pólen. Há problemas... como em todos os países. E há velhos sábios que ora receitam remédios ora recomendam provérbios. <i>Do país, talvez... queres que te conte outra vez?</> http://www.paulinas.pt/Product_Detail.aspx?code=1993 Wed, 02 Aug 2017 10:40:02 GMT